Pular para o conteúdo
h2 class="titulo-posts">Categoria: Graduação


Professores declamam trecho de Grande Sertão Veredas

Diante da situação em que nos encontramos neste momento da pandemia da Covid-19, 51 integrantes do corpo docente da Dom Helder Escola de Direito participaram de um vídeo em que declamam um trecho do livro “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa. Cada um com sua entrega e suas características únicas, que conhecemos tão bem.

Esta postagem não é sobre eles, é sobre todos nós. É sobre cada um fazer a sua parte. Formar uma corrente de amor, colaboração e empatia. É provável que muitos sentimentos surjam durante os 101 segundos deste vídeo. Que eles se multipliquem, nos dando força e esperança para enfrentar este momento difícil, novo, decisivo.

Afinal, o que a vida quer da gente? Coragem. União e corresponsabilidade.

Confira o vídeo:

Professor da Dom Helder recebe homenagem da AGU

O professor da Dom Helder Escola de Direito, Marcelo Kokke, recebeu, na última quinta-feira (12), a homenagem de Comendador da Ordem do Mérito pela Advocacia-Geral da União, concedida pelo Presidente da República e pelo Ministro de Estado da Advocacia-Geral da União. A cerimônia de entrega foi realizada em Brasília.

A honraria, prevista no Decreto 8.625/2015, é entregue àqueles que “tenham prestado notáveis serviços à Advocacia-Geral da União ou aos órgãos a ela vinculados, em âmbito nacional ou internacional”. Além de Comendador, a Ordem do Mérito possui outros dois graus: Grã-Cruz e Grande Oficial.

De acordo com o professor, “é uma honra imensurável, indescritível. A atuação como Advogado Público, como membro de uma carreira de Estado que se volta para atender ao interesse público, é antes de tudo um compromisso para com a Constituição e para com a sociedade brasileira”.

O professor recebeu a homenagem no Palácio do Planalto, em Brasília

Dom Helder realiza reunião da Monitoria Acadêmica

No último sábado (7), foi realizada a primeira reunião geral da Monitoria Acadêmica do semestre letivo da Dom Helder Escola de Direito. O encontro teve como objetivo capacitar os monitores na Pedagogia Inaciana, metodologia de ensino e aprendizagem adota pela instituição em todas as suas práticas pedagógicas.

A reunião foi conduzida pelo professor Rogério Vieira, coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado (NEP), e foi aberta pelo vice-reitor da Dom Helder, professor Estevão D’Ávila. Também estiveram presentes a pró-reitora de ensino, professora Anacélia Santos Rocha, o professor Adair Rocha, responsável pela implementação da nova metodologia, a professora Mariza Rios, coordenadora do projeto “Disciplinas Transversais em Direitos Humanos”, bem como um representante dos Jesuítas, o professor Carlos Cesar e professor Paulo Verissimo, da FAJE, responsáveis pelos encontros acadêmicos e encontros de espiritualidade da instituição. Cada professor falou sobre os projetos que coordenam e convidaram a monitoria a participar deles.

A metodologia de capacitação utilizada na reunião foi a “Metodologia Comunidade de Conhecimento”, conhecida como “Nova Metodologia”, que direcionou a pesquisa dos alunos ao tema. Ao final, os monitores da tiveram um treinamento específico, que abordou a prática do monitor nesta linha de atuação, com os professores Pedro Eliezer e Adair Rocha.

Ao logo do semestre a monitoria participará de diversas atividades acadêmicas, bem como fomentará e divulgará estudos orientados, grupos de estudos e acompanhará a aplicação da Pedagogia Inaciana nas aulas. A próxima reunião está marcada para o dia 22 de abril.

Para o professor Rogério Vieira “a Monitoria Acadêmica é um canal privilegiado de interlocução com a comunidade acadêmica, além de funcionar como um braço pedagógico da ouvidoria e de inspirar os discentes a buscarem a excelência”.

Dom Helder e EMGE recebem primeira etapa do GLH 2020

A Dom Helder Escola de Direito e a Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE) recebem, a partir desta sexta-feira (6), a primeira fase do Global Legal Hackathon 2020, competição que visa melhorias no setor jurídico internacional. A disputa continua até o domingo (8) e é voltada para profissionais e estudantes de direito, tecnologia, design, negócios e interessados em empreendedorismo e inovação.

A abertura do evento contou com as boas-vindas de Paula Figueiredo, presidente da Comissão de Direito para as Startups da OAB/MG, promotora da primeira fase do evento, e do professor Franclim Brito, reitor da EMGE, que levou uma mensagem de boas-vindas aos competidores, falando da importância do GLH no mundo atual. Em seguida, Paula apresentou a competição, explicando suas regras e fases. Completaram a abertura o facilitador do evento, Carnelutti Spinelli, a presidente da Sicoob Coopjur, Regina Dinelli, a reitora escola Skema, Dra. Geneviéve Poulingue, a CEO da startup Bicha da Justiça, Bruna Andrade, e a idealizadora da Freelow, Júlia Rezende.

Equipe da Dom Helder fica entre as 10 primeiras classificadas em competição internacional

 

Alunos da Dom Helder Escola de Direito se classificaram entre as 10 melhores equipes da fase regional do Phillip C. Jessup International Law Moot Court Competition 2020, maior simulação jurídica no âmbito internacional. É a primeira vez da instituição na competição que todo ano acontece em uma cidade. A edição deste ano foi realizada nos dias 13, 14 e 15 de fevereiro, em Florianópolis, Santa Catarina.

A equipe representante da Dom Helder contou com a ajuda do Centro de Simulação e Intercâmbio (CSI), através do grupo de estudos com os alunos Augusto Sérgio Lima Jesus, Clara de Freitas Barbosa, Gabriela Borges, Guilherme Souza Bohns Martins, sobre a Corte Internacional de Justiça, para se preparar para a disputa. Participaram os alunos Carolinne Ferreira Viana, Fernando Antônio Gerônimo Massad e Vittoria Alvares Anastasia, acompanhados do professor Pedro Gustavo Gomes Andrade.

A competição acontece em equipes e simula o julgamento entre países perante a Corte Internacional de Justiça, órgão judicial das Nações Unidas. Os participantes tiveram que preparar articulações orais e escritas argumentando posições contrárias em torno do caso de Helian Hyacinth. A Dom Helder conseguiu a classificação entre os 10 primeiros através da somatória de pontos de todos os participantes da equipe.

Todas as etapas foram realizadas na língua inglesa e contaram com a participação de mais de 680 faculdades de Direito em 100 países. A aluna Vittoria Alvares também foi destaque e ficou entre os cinco melhores oradores da competição.

Confira o depoimento dos alunos participantes:

Carolinne:

“A competição em si superou minhas expectativas, não sabia o que iria viver naqueles dias, e foi definitivamente uma das melhores e mais desafiadoras experiências que tive durante a graduação.

Desde a minha participação no TRI-e, me envolvi com o estudo do Direito Internacional. Participar da Jessup me fez aprofundar na temática, além de desenvolver inúmeras habilidades que as simulações proporcionam.

A Jessup envolveu 1 ano de preparação, muita pesquisa, trabalho em equipe, treinos, dificuldades e superação. Participar da competição, a maior competição de Direito Internacional do mundo, já foi uma vitória.

Nos rounds, nosso conhecimento, oratória, coragem e persistência foram colocados à prova: fazer sustentações orais e debates totalmente em inglês e ainda ser inquiridos por juízes profissionais de renome no Direito Internacional. É com grande emoção e orgulho que posso dizer que nos saímos extremamente bem e com certeza levaremos o aprendizado para outras edições da competição, novas simulações e para nossa vida profissional.

Além disso, a competição proporcionou conhecer pessoas do Brasil inteiro e até do mundo, desenvolver networking e fazer amizades, vivenciar o chamado “Jessup Spirit” e compreender que todos nós “jessupers” formamos uma grande família”.

Fernando:

“A Jessup Competition é considerada a maior competição de Direito Internacional do mundo, o que me torna extremamente honrado por tê-la vivenciado.

A preparação para a competição se iniciou no início do ano passado, quando ainda não tinha a menor experiência com a área do Direito Internacional. Assim, todo o estudo de casos, doutrina e tratados internacionais expandiu meus horizontes também quanto ao Direito em geral, vez que o conteúdo muitas vezes se relaciona com outras disciplinas. Deste modo, participar do grupo de estudos da Jessup me permitiu abranger minhas perspectivas profissionais, e me aproximar de pessoas incríveis e com interesses semelhantes.

Além disso, devo ressaltar que a competição aborda temas distintos anualmente. Por isso, estar em contato com eles é de grande relevância, principalmente por tratarem de assuntos em pauta atualmente, tais como o uso de armas autônomas, conflito de competência entre tribunais internacionais e imunidade diplomática, o que faz com que a participação na competição possibilite o aprofundamento do conhecimento em temas importantes.

Nos dias da competição, houve muita tensão em relação às perguntas dos juízes, que questionavam ativamente acerca do conteúdo do discurso, preparo de réplicas e tréplicas para as equipes adversárias, e as expectativas para classificação para as fases seguintes.

Agora encerrada a competição, percebo o quanto toda a experiência foi engrandecedora, tanto na fase de preparo, quanto especialmente nos dias de debates. Nestes, pudemos estar em contato com equipes de diversos estados do Brasil, que traziam argumentos inéditos e de alto nível, assistir às equipes finalistas com um grande conhecimento de caso e de Direito, desenvolver habilidades de oratória e raciocínio rápido e, acima de tudo, estabelecer laços de grande relevância pessoal e acadêmica.

Deste modo, deixo registrados os meus agradecimentos à Dom Helder pela oportunidade, ao professor Pedro Andrade pela orientação, e a todas as pessoas da equipe e que nos ajudaram na fase de preparação”.

Vittoria:

“Quando nós chegamos em Florianópolis, eu não sabia muito bem o que esperar. Mas eu sei que eu não estava esperando me sentir tão realizada em tão pouco tempo, com pessoas que eu não conhecia em um lugar que eu nunca tinha ido.

A Jessup Competition, além de ser um momento de aprendizado, é uma família, e todos – juízes, coaches, competidores, a administração – fazem você se sentir em casa. É um evento que requer muita pesquisa, prática em oratória e tranquilidade para responder as perguntas durante sua sustentação oral, mas uma vez que a pessoa está envolvida, é impossível não amar, porque vale cada segundo, cada gota de suor e noite mal dormida.”

Professor da Dom Helder lança livro de Direito Comercial

O advogado e professor da Dom Helder Escola de Direito, Gustavo Ribeiro Rocha, acaba de lançar uma nova edição do livro “Curso de Direito Comercial” em parceria com o escritor e também professor José Maria Rocha Filho. O exemplar, que serve de consulta para muitos alunos e até mesmo profissionais, está disponível na biblioteca da escola.

Explicando a teoria geral da empresa, direito societário, títulos de crédito, falência e recuperação de empresas, a 7ª edição do livro possui o que há de mais novo referente às leis de comércio. Além disso, a obra foi atualizada conforme a Lei da Liberdade Econômica (lei n. 13.874/2019). Para facilitar o estudo, os autores optaram por disponibilizar exercícios de fixação ao final de cada capítulo.

Gustavo Ribeiro está sorteando um exemplar em sua conta no Instagram (@ribeirorocha.advocacia). Para participar, é necessário curtir a foto da capa do livro, seguir o perfil do professor e marcar três amigos nos comentários da foto. O resultado sairá no dia 28 de fevereiro.

Bárbara Teixeira/NECOM

Egresso da Dom Helder é aprovado em concurso para procurador

O egresso da Dom Helder e advogado Nathan Nascimento foi aprovado no último concurso para procurador municipal da cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo. Nathan, atualmente efetivado como advogado da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa-MG), concluiu o curso de Direito Integral em julho de 2018.

Nos próximos meses, assumirá o cargo em Ribeirão Preto e ressalta que a bagagem obtida durante o curso na Dom Helder foi essencial para aprovação. “O estímulo e a cobrança do curso me fizeram criar, desde o início do curso, uma rotina e disciplina de estudo”, diz o egresso, que está ansioso para a nova experiência profissional.

Em 2019, Nathan começou uma rotina de estudos para concursos públicos, definindo que o foco seriam os concursos da advocacia pública, especialmente para o cargo de Procurador Municipal. “Mas sem o foco específico em alguma cidade”, explica. Ainda segundo o egresso, os estudos eram voltados às disciplinas desta área e, como treinamento, investiu na realização de provas fora de Belo Horizonte.

Ribeirão Preto

O concurso para procurador municipal foi realizado em três fases, sendo a primeira uma prova objetiva, com 60 questões, valendo 100 pontos, a segunda, a elaboração de uma peça prático-profissional no valor de 60 pontos e a terceira, uma prova de títulos em que pontuavam candidatos com certificado de conclusão de cursos ligados a pós-graduação, mestrado ou doutorado em Direito.

“A descoberta da aprovação foi gradativa e carregada de expectativa a cada bom resultado nas fases do concurso. Ao final, com o resultado já publicado, a sensação é de felicidade e satisfação, por toda a dedicação e o esforço empregados terem sido recompensados”, afirma Nathan.

Para quem pretende investir em concursos públicos, o egresso afirma que é necessário ter planejamento e disciplina. “Acredito que o essencial é o estudante buscar o método que melhor se adeque ao seu estilo de estudo, que mais lhe deixa preparado de forma consistente para se submeter aos certames”.

Nathan ainda afirma que sem planejamento e uma direção pré-estabelecida, não há êxito nos concursos. “No início, a concentração e o estudo focado são muito difíceis, mas, com o tempo, surge o hábito de estudo e este se torna mais natural”, completa.

Dom Helder inicia semestre acadíªmico nesta terça-feira

A Dom Helder Escola de Direito recebeu nesta terça-feira (11) os calouros dos cursos de Direito – turnos manhã, noite e integral. O dia foi marcado com boas-vindas e apresentações das metodologias de ensino pela pró-reitora Anacélia Santos e pelo coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado (NEP), Rogério Vieira. As aulas dos veteranos começam nesta quarta-feira (12).

Recepção unificada

No próximo sábado (15), a Dom Helder e a EMGE promovem a Recepção de Calouros unificada. Para participar, acesse o link do Sympla e retire seu ingresso.

Galeria de fotos: colação de grau das turmas da noite

Neste sábado (8), as turmas da noite colaram grau em cerimônia marcada pela emoção, gratidão e companheirismo. Antes de proferir seu discurso, o orador das turmas, Ralph Scott Goddard, conduziu homenagem à colega Raiana Figueiredo, que foi vítima de um ato de violência no mês de janeiro.

“Desde o ocorrido, todos os dias às 21h, independente de fé ou credo, nos unimos em pensamento para pedir pela sua melhora, inconformados de como uma coisa dessas poderia ter acontecido com uma guerreira como você, exemplo de superação, assistimos sua luta durante e após o curso, abismados com a sua força para chegar aqui no dia de hoje”, destacou, para então pedir uma salva de aplausos para a colega.

Galeria de fotos: colação de grau das turmas da manhã

Uma feliz coincidência marcou a colação de grau das turmas da manhã da @domhelderoficial. A cerimônia foi realizada nesta sexta-feira (7), aniversário de nascimento de Dom Helder Câmara, patrono da instituição, que completaria 111 anos.

“Ele disse uma frase lapidar: ‘quando os problemas parecem absurdos, os desafios se tornam apaixonantes e o ser humano se agiganta’. Que vocês possam ser sinais de esperança! Que Dom Helder Câmara interceda sempre por vocês!”, desejou o reitor Paulo Stumpf.

Confira a cobertura completa neste sábado (8), no Dom Total.

QUER CONHECER A DOM HELDER E A EMGE MAIS DE PERTO?

Estamos de portas abertas pra você!

Agende uma visita Tuor Virtual

© 2021 Escola Superior Dom Helder Câmara - Todos os direitos reservados