Pular para o conteúdo
h2 class="titulo-posts">Categoria: Notícias


Dom Debate esclarece dúvidas sobre as eleições municipais

Uma nova edição do programa Dom Debate já está disponível no canal. Desta vez, o mediador Abraão Gracco recebe a professora Lara Marina Ferreira, da Dom Helder Escola de Direito. Lara é mestre em Direito pela UFMG e servidora da Escola Judiciária Eleitoral do TRE-MG.

No decorrer do programa, os professores debatem pontos importantes sobre as eleições municipais de 2020, como os requisitos para as candidaturas, o financiamento de campanha, a disseminação de fake news e as mudanças das regras eleitorais, entre outros pontos.

O Dom Debate é coordenado pelos professores Luiz Chaves e Abraão Gracco, da Dom Helder.

COVID-19: Utilização da plataforma Moodle

Caros(as) Estudantes,

Estamos vivenciando um momento de incertezas em relação à Covid-19. A Dom Helder Escola de Direito, preocupada com a segurança dos integrantes de sua comunidade acadêmica e atenta às recomendações das autoridades públicas, suspendeu as aulas presenciais no período de 16/03 a 30/03 e adotará sistema de Ensino a Distância (EaD), por meio da plataforma Moodle, para que não haja prejuízo ao semestre letivo.

É certo que a instabilidade das próximas semanas exigirá de todos(as) nós um esforço para nos adaptarmos às exigências que se impõem. Por isso, pedimos tranquilidade à comunidade acadêmica, pois estamos empenhados em oferecer todos os procedimentos necessários para que nossa rotina seja, gradativamente, on-line.

Nesta segunda-feira (16/03), a Direção da Escola reuniu-se e deliberou sobre os procedimentos, prazos e demais encaminhamentos, até 30/03, conforme abaixo:

[16/03] Criação da Sala de Aula Virtual:

O setor de Tecnologia da Informação (TI), sob coordenação do professor Cristiano Lacerda, criará pastas com os nomes das turmas na plataforma Moodle, e nelas os professores deverão postar os conteúdos das disciplinas vinculadas à Turma/Turno, conforme presencial (Exemplo: D1MA);

[17, 18 e 19/03] Formação dos Professores:

Os professores receberão orientações sobre os procedimentos para cadastro, armazenamento de conteúdo e gestão das ferramentas, por meio de reuniões virtuais com a Pró-Reitoria de Ensino, a Coordenação do Direito Integral, a Coordenação de EaD e a Coordenação do TI;

[23/03] Abertura da Plataforma Moodle:

Acesso dos estudantes ao material referente ao conteúdo integral, até 30/03, divididos em três Etapas, no Módulo 1:

Etapa 1: Conteúdo revisional do que fora ministrado presencialmente;

Etapa 2: Conteúdo novo, até 30/03;

Etapa 3: Orientações para a 1ª Avaliação Parcial (início e término da postagem, estrutura, conteúdo, distribuição dos pontos); espelho da prova após correção e lançamento das notas no Portal.

As avaliações parciais, previstas para o período de 25/03 a 01/04, conforme cronograma, serão realizadas por meio da plataforma Moodle, conforme critérios a serem estabelecidos por cada professor(a), e divulgado na Sala de Aula Virtual, no valor de 30 pontos.

A correção e o lançamento da nota de cada estudante serão publicados pelo professor(a), no Portal Acadêmico, até no máximo 04/04, junto com o espelho da prova.

Para mais informações, esclarecimentos e orientações favor procurar diretamente o respectivo setor, conforme abaixo:

(a) Plataforma Moodle: professor Edmilson (ead.coordenacao@domhelder.edu.br)

(b) Covid-19: professora Claudia Madrona (nep.psicologa@domhelder.edu.br)

(c) NPJ: professor Luiz Chaves (npj.coordenacao@domhelder.edu.br)

(d) TC: professora Mariza Rios (mariza.rios@domhelder.edu.br)

(e) NEP: professor Rogério (nep.coordenador@domhelder.edu.br)

A Dom Helder disponibilizará, em seu site, uma seção exclusiva para tratar eventuais demandas referentes aos procedimentos adotados por ocasião da Covid-19.

Desejamos a todos(as) que este tempo seja de corresponsabilidade social. Por isso, recomendamos a manutenção dos procedimentos sanitários, conforme orientações gerais do Ministério da Saúde, e serenidade para enfrentarmos, juntos, este período de instabilidades.

A Direção.

Professor da Dom Helder recebe homenagem da AGU

O professor da Dom Helder Escola de Direito, Marcelo Kokke, recebeu, na última quinta-feira (12), a homenagem de Comendador da Ordem do Mérito pela Advocacia-Geral da União, concedida pelo Presidente da República e pelo Ministro de Estado da Advocacia-Geral da União. A cerimônia de entrega foi realizada em Brasília.

A honraria, prevista no Decreto 8.625/2015, é entregue àqueles que “tenham prestado notáveis serviços à Advocacia-Geral da União ou aos órgãos a ela vinculados, em âmbito nacional ou internacional”. Além de Comendador, a Ordem do Mérito possui outros dois graus: Grã-Cruz e Grande Oficial.

De acordo com o professor, “é uma honra imensurável, indescritível. A atuação como Advogado Público, como membro de uma carreira de Estado que se volta para atender ao interesse público, é antes de tudo um compromisso para com a Constituição e para com a sociedade brasileira”.

O professor recebeu a homenagem no Palácio do Planalto, em Brasília

Aluna da Dom Helder realiza intercâmbio em Portugal

No último mês, a aluna Mariana Lima, da Dom Helder Escola de Direito, retornou de um intercâmbio na Universidade do Porto, em Portugal. A estudante viajou em agosto de 2019 após ganhar a bolsa do programa Santander Ibero-Americanas de 2018 em parceria com a Dom Helder.

Através do intercâmbio, a aluna cursou as disciplinas de Direito Econômico, Finanças Públicas e Ciência Política. Além disso, ela teve a oportunidade de concluir alguns cursos, tais como Introdução ao Direito Português, Jornadas de Fiscalidade e Argumentação Jurídica.

Mariana relata que conheceu diversas culturas novas, tanto em Portugal, quanto nas viagens que fez durante esse período em Marrocos, onde visitou o Deserto do Saara, Amsterdam, Roma, Milão, Berlim, Bruxelas, Paris, Barcelona e Madrid.

Para participar do intercâmbio, a aluna passou por um processo de seleção interna na Dom Helder, por meio do Centro de Simulação e Intercâmbio (CSI). O processo, criterioso e com várias etapas, aconteceu no ano de 2018. Uma das etapas avaliava a média acadêmica da estudante.

“Às vezes, durante o percurso acadêmico, a visão para o mercado de trabalho pode ficar distante e fazer com que o aluno se acomode durante o curso, mas manter-se sempre atualizado e com boas notas faz com que você esteja preparado quando oportunidades surgirem”, conta ela sobre manter a rotina de estudos.

Dentre os projetos realizados pela aluna em Portugal, ela teve a oportunidade de dar uma aula para os estudantes do 3º Ciclo de Ensino Secundário, equivalente ao nosso Ensino Médio, de uma escola portuguesa no projeto Aulas sem Fronteiras a convite da Universidade do Porto.

“A experiência de intercâmbio foi um divisor de águas na minha vida, foram meses que me proporcionaram grande amadurecimento pessoal e profissional em uma fase de transição extremamente importante na qual me encontro, entre o 10° período e o mercado de trabalho”, conta.

Para participar dos intercâmbios promovidos pela Dom Helder é só ficar atento às páginas do CSI.

Norma Padilha participa de bancas na Dom Helder

Na última semana, a Dom Helder Escola de Direito recebeu Norma Padilha, uma das pessoas mais influentes do Direito Ambiental. Norma atualmente é membro honorária do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito (CONPEDI), membro da diretoria da Associação dos Professores de Direito Ambiental no Brasil (APRODAB) e líder de Grupo de Pesquisa Meio Ambiente, Trabalho e Sustentabilidade, cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ). Além disso, ela recebeu em 2011 o Prêmio Jabuti na categoria Direito com o livro “Fundamentos Constitucionais do Direito Ambiental Brasileiro”.

A pesquisadora esteve presente na instituição para participar de duas bancas de mestrado juntamente o professor Bruno Torquato da Dom Helder, na última quinta-feira (12). As alunas Naiara Carolina Fernandes de Mendonça e Camilla de Freitas Pereira apresentaram duas dissestações, sendo elas “A proteção cultural do novo mundo: uma perspectiva a partir de Francisco de Vitória”, da primeira, orientada pelo professor Émilien Vilas Boas Reis, e “Sistema degradante labor ambiental: uma análise sistêmica sobre a relação de interdependência entre o trabalho escravo contemporâneo e a degradação ambiental”, da segunda, orientada pela professora Beatriz Souza Costa.

Bárbara Teixeira – Necom Dom Helder e EMGE

Movimento Ecos: em busca de grandes resultados

Por Evaldo Junio

O Movimento Ecos está de volta em 2020 com muitas novidades e com grande expectativa de que o ano seja grandioso ao lado de diversas escolas que, cada vez mais, mobilizam sua comunidade do entorno das escolas para que os ajudem como colaboradores. São quase 10 anos impactando vidas com o apoio da Dom Helder Escola de Direito e da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE), em cooperação técnica com a Secretária de Educação de Minas Gerais.

O primeiro contanto com as escolas é o mais importante, pois é nele que conhecemos a estrutura delas e fazemos a adesão da instituição no movimento através dos aceites. Com isso, observamos o brilho nos olhos e as primeiras ideias para que o projeto tenha resultados efetivos.

Dom Helder realiza reunião da Monitoria Acadêmica

No último sábado (7), foi realizada a primeira reunião geral da Monitoria Acadêmica do semestre letivo da Dom Helder Escola de Direito. O encontro teve como objetivo capacitar os monitores na Pedagogia Inaciana, metodologia de ensino e aprendizagem adota pela instituição em todas as suas práticas pedagógicas.

A reunião foi conduzida pelo professor Rogério Vieira, coordenador do Núcleo de Ensino Personalizado (NEP), e foi aberta pelo vice-reitor da Dom Helder, professor Estevão D’Ávila. Também estiveram presentes a pró-reitora de ensino, professora Anacélia Santos Rocha, o professor Adair Rocha, responsável pela implementação da nova metodologia, a professora Mariza Rios, coordenadora do projeto “Disciplinas Transversais em Direitos Humanos”, bem como um representante dos Jesuítas, o professor Carlos Cesar e professor Paulo Verissimo, da FAJE, responsáveis pelos encontros acadêmicos e encontros de espiritualidade da instituição. Cada professor falou sobre os projetos que coordenam e convidaram a monitoria a participar deles.

A metodologia de capacitação utilizada na reunião foi a “Metodologia Comunidade de Conhecimento”, conhecida como “Nova Metodologia”, que direcionou a pesquisa dos alunos ao tema. Ao final, os monitores da tiveram um treinamento específico, que abordou a prática do monitor nesta linha de atuação, com os professores Pedro Eliezer e Adair Rocha.

Ao logo do semestre a monitoria participará de diversas atividades acadêmicas, bem como fomentará e divulgará estudos orientados, grupos de estudos e acompanhará a aplicação da Pedagogia Inaciana nas aulas. A próxima reunião está marcada para o dia 22 de abril.

Para o professor Rogério Vieira “a Monitoria Acadêmica é um canal privilegiado de interlocução com a comunidade acadêmica, além de funcionar como um braço pedagógico da ouvidoria e de inspirar os discentes a buscarem a excelência”.

Equipe da Dom Helder fica entre as 10 primeiras classificadas em competição internacional

 

Alunos da Dom Helder Escola de Direito se classificaram entre as 10 melhores equipes da fase regional do Phillip C. Jessup International Law Moot Court Competition 2020, maior simulação jurídica no âmbito internacional. É a primeira vez da instituição na competição que todo ano acontece em uma cidade. A edição deste ano foi realizada nos dias 13, 14 e 15 de fevereiro, em Florianópolis, Santa Catarina.

A equipe representante da Dom Helder contou com a ajuda do Centro de Simulação e Intercâmbio (CSI), através do grupo de estudos com os alunos Augusto Sérgio Lima Jesus, Clara de Freitas Barbosa, Gabriela Borges, Guilherme Souza Bohns Martins, sobre a Corte Internacional de Justiça, para se preparar para a disputa. Participaram os alunos Carolinne Ferreira Viana, Fernando Antônio Gerônimo Massad e Vittoria Alvares Anastasia, acompanhados do professor Pedro Gustavo Gomes Andrade.

A competição acontece em equipes e simula o julgamento entre países perante a Corte Internacional de Justiça, órgão judicial das Nações Unidas. Os participantes tiveram que preparar articulações orais e escritas argumentando posições contrárias em torno do caso de Helian Hyacinth. A Dom Helder conseguiu a classificação entre os 10 primeiros através da somatória de pontos de todos os participantes da equipe.

Todas as etapas foram realizadas na língua inglesa e contaram com a participação de mais de 680 faculdades de Direito em 100 países. A aluna Vittoria Alvares também foi destaque e ficou entre os cinco melhores oradores da competição.

Confira o depoimento dos alunos participantes:

Carolinne:

“A competição em si superou minhas expectativas, não sabia o que iria viver naqueles dias, e foi definitivamente uma das melhores e mais desafiadoras experiências que tive durante a graduação.

Desde a minha participação no TRI-e, me envolvi com o estudo do Direito Internacional. Participar da Jessup me fez aprofundar na temática, além de desenvolver inúmeras habilidades que as simulações proporcionam.

A Jessup envolveu 1 ano de preparação, muita pesquisa, trabalho em equipe, treinos, dificuldades e superação. Participar da competição, a maior competição de Direito Internacional do mundo, já foi uma vitória.

Nos rounds, nosso conhecimento, oratória, coragem e persistência foram colocados à prova: fazer sustentações orais e debates totalmente em inglês e ainda ser inquiridos por juízes profissionais de renome no Direito Internacional. É com grande emoção e orgulho que posso dizer que nos saímos extremamente bem e com certeza levaremos o aprendizado para outras edições da competição, novas simulações e para nossa vida profissional.

Além disso, a competição proporcionou conhecer pessoas do Brasil inteiro e até do mundo, desenvolver networking e fazer amizades, vivenciar o chamado “Jessup Spirit” e compreender que todos nós “jessupers” formamos uma grande família”.

Fernando:

“A Jessup Competition é considerada a maior competição de Direito Internacional do mundo, o que me torna extremamente honrado por tê-la vivenciado.

A preparação para a competição se iniciou no início do ano passado, quando ainda não tinha a menor experiência com a área do Direito Internacional. Assim, todo o estudo de casos, doutrina e tratados internacionais expandiu meus horizontes também quanto ao Direito em geral, vez que o conteúdo muitas vezes se relaciona com outras disciplinas. Deste modo, participar do grupo de estudos da Jessup me permitiu abranger minhas perspectivas profissionais, e me aproximar de pessoas incríveis e com interesses semelhantes.

Além disso, devo ressaltar que a competição aborda temas distintos anualmente. Por isso, estar em contato com eles é de grande relevância, principalmente por tratarem de assuntos em pauta atualmente, tais como o uso de armas autônomas, conflito de competência entre tribunais internacionais e imunidade diplomática, o que faz com que a participação na competição possibilite o aprofundamento do conhecimento em temas importantes.

Nos dias da competição, houve muita tensão em relação às perguntas dos juízes, que questionavam ativamente acerca do conteúdo do discurso, preparo de réplicas e tréplicas para as equipes adversárias, e as expectativas para classificação para as fases seguintes.

Agora encerrada a competição, percebo o quanto toda a experiência foi engrandecedora, tanto na fase de preparo, quanto especialmente nos dias de debates. Nestes, pudemos estar em contato com equipes de diversos estados do Brasil, que traziam argumentos inéditos e de alto nível, assistir às equipes finalistas com um grande conhecimento de caso e de Direito, desenvolver habilidades de oratória e raciocínio rápido e, acima de tudo, estabelecer laços de grande relevância pessoal e acadêmica.

Deste modo, deixo registrados os meus agradecimentos à Dom Helder pela oportunidade, ao professor Pedro Andrade pela orientação, e a todas as pessoas da equipe e que nos ajudaram na fase de preparação”.

Vittoria:

“Quando nós chegamos em Florianópolis, eu não sabia muito bem o que esperar. Mas eu sei que eu não estava esperando me sentir tão realizada em tão pouco tempo, com pessoas que eu não conhecia em um lugar que eu nunca tinha ido.

A Jessup Competition, além de ser um momento de aprendizado, é uma família, e todos – juízes, coaches, competidores, a administração – fazem você se sentir em casa. É um evento que requer muita pesquisa, prática em oratória e tranquilidade para responder as perguntas durante sua sustentação oral, mas uma vez que a pessoa está envolvida, é impossível não amar, porque vale cada segundo, cada gota de suor e noite mal dormida.”

6ª Mostra Científica será realizada nos dias 6 e 7 de março

A 6ª Mostra Científica da Dom Helder ocorrerá nos dias 6 e 7 de março. O evento cria incentivo para a produção científica com o objetivo de desenvolver atividades acadêmicas nas linhas de pesquisa de seu programa de pós-graduação Stricto Sensu e também para as demais áreas do Direito.

Os Grupos de Pesquisa (GP’s) e os Grupos de Iniciação Científica (GIC’s) serão avaliados por sua produção científica, em uma primeira fase, pela comissão interna da Dom Helder. Na segunda fase serão avaliados por uma comissão externa composta por professores convidados de outras instituições de ensino.

A avaliação dos Grupos será baseada em todo o trabalho de pesquisa realizado por eles no ano anterior (2019). Serão atribuídas 8 horas (por dia de evento) em atividade de pesquisa para graduandos.

Inscrição para o dia 6 de março
https://www.sympla.com.br/vi-mostra-cientifica-dom-helder-camara—0603__715932

Inscrição para o dia 7 de março
https://www.sympla.com.br/vi-mostra-cientifica-dom-helder-camara—0703__716620

 

QUER CONHECER A DOM HELDER E A EMGE MAIS DE PERTO?

Estamos de portas abertas pra você!

Agende uma visita Tuor Virtual

© 2021 Escola Superior Dom Helder Câmara - Todos os direitos reservados